Como uma formatação no Word poderia ter salvo o Oscar (e o Miss Universo)

Como uma formatação no Word poderia ter salvo o Oscar (e o Miss Universo)

O que o Oscar e a competição de Miss Universo têm em comum? Os dois falharam miseravelmente na hora de anunciar seus vencedores – Uma falha que jamais conseguiríamos prever que aconteceria num evento transmitido globalmente ao vivo tipo aquele clássico 7×1 na Copa. Continuar lendo “Como uma formatação no Word poderia ter salvo o Oscar (e o Miss Universo)”

O que fazer depois de 21 dias sem TV?

O que fazer depois de 21 dias sem TV?

Eu jamais pensei que conseguiria, mas consegui. Vinte e um dias (assim mesmo, por extenso, para impactar mais) sem assistir séries, filmes e até vlogs no You Tube. 21 dias sem entretenimento. Fugir dos spoilers foi até fácil, o difícil é ocupar o tempo, principalmente as noites de folga. Ainda bem que tudo começou no dia seguinte ao fim da temporada de The Walking Dead, porque olha…

Continuar lendo “O que fazer depois de 21 dias sem TV?”

Ninguém deve acreditar naquilo que lê na internet

Ninguém deve acreditar naquilo que lê na internet

Receber informações e notícias pela internet sempre foi algo sensível. Mesmo os portais com mais credibilidade podem publicar informações sem embasamento algum e com muitos furos. Ninguém deve acreditar naquilo que lê na internet – É necessário apurar, comparar, filtrar e descartar muita coisa antes de compartilhar com alguém, mas quantos realmente fazem isso não é mesmo? O Facebook é um grande facilitador na hora de propagar boatos porque ainda faz questão de filtrar o conteúdo que recebemos nos cercando apenas de pessoas que pensam aquilo que pensamos. Isso elimina o debate e a discussão e não nos permite ter acesso a quem possa discordar da gente. Nos deixa mais preguiçosos e fomenta nosso ego.

Continuar lendo “Ninguém deve acreditar naquilo que lê na internet”

O loop infinito

O loop infinito

“Fotógrafo ‘apaga’ smartphones de imagens para mostrar como a hiper conectividade nos tornou solitários” – Essa manchete aí num portal avulso de notícias mexeu comigo e está reverberando (nossa, que palavra legal!) até hoje na minha cabeça. Minha rotina nos momentos vagos, que chamarei de loop infinito, tem sido Twitter-Instagram-Facebook-YouTube (Snapchat? Estou lutando para não aderir). A gente faz aquela paradinha de 1 minuto, começa a deslizar o dedo e aí vira 1 hora. Quantas vezes não pensei: “Vou assistir uma série”, mas aí os minutos conectados foram passando e então “Putz, não dá mais tempo de assistir nada. Vou trabalhar!”. Observação importante: Não vou nem citar Whatsapp.
Continuar lendo “O loop infinito”

O caminho para se tornar velho e obsoleto

O caminho para se tornar velho e obsoleto

Alguns admiram muito a mente criativa do George Lucas, outros Frank Miller, mas eu admiro mesmo é um cara chamado Joss Whedon que foi tipo uma das mentes responsáveis pela fase 2 da Marvel nos cinemas incluindo aquele filme lá, Os Vingadores (1 e 2). Acompanho o trabalho dele desde pelo menos uma década e meia atrás (meu Deus! Só meus pais falavam assim) e é muito legal ver que aquele nerd que fazia umas séries bizarras (e muito legais com umas sacadas geniais) na minha adolescência chegou onde chegou. Aí de um tempo pra cá ele simplesmente “pulou” fora. Depois do maior projeto da sua vida (Os Vingadores – A Era de Ultron) ele está por aí longe dos holofotes. O motivo, que acabei de descobrir, me deu uma lição de vida.

Continuar lendo “O caminho para se tornar velho e obsoleto”

Em 2016, que tal fazer aquilo que você ama?

Em 2016, que tal fazer aquilo que você ama?

2016 vem aí amigos – E embora a previsão seja de muito calor (nível apocalipse de calor) no Brasil, nos negócios a previsão é de tempo nublado. A crise que tanto é falada ainda sequer atingiu seu ápice, li num artigo faz uns dias que seu auge se dará no vindouro mês de dezembro do ano que vem. Daí eu me perguntei e também te pergunto: Você vai esperar o mal tempo passar (e sofrer com ele) ou vai fazer algo da vida?

Continuar lendo “Em 2016, que tal fazer aquilo que você ama?”

A Lei do Desapego

A  Lei do Desapego

Morar em um apartamento me ensinou a aprender e praticar a Lei do Desapego. Costumo dizer para as visitas que não precisamos de fazer um tour pelo apê, basta sentar no sofá da sala e apontar para todos os cômodos – Você consegue enxergar todos de verdade. O espaço pequeno nos ensinou que não dá para acumular muitas coisas. Nós não tínhamos nada (quase nada) quando nos mudamos, mas aos poucos decoramos cada cantinho. Deixamos tudo com nossa cara. Mas acabou por aí. Não tem mais onde guardar ou expor novas coisas. A solução? Desapegar.

Continuar lendo “A Lei do Desapego”