De volta, sete anos depois

De volta, sete anos depois

Faz algumas semanas que completaram sete anos desde o Diga ao Mundo na Europa (meu Deus, o blog da viagem ainda está online!), uma temporada de dois meses que servimos às nossas Igrejas em Portugal e Espanha. Aos 22 anos, essa foi minha primeira experiência fora do país. Neste período aprendemos muito com cada Pastor e irmão que nos recebeu. Dois meses foi tempo suficiente para haver inclusive lágrimas na despedida – Ainda me lembro da última ministração sobre fazer Discípulos que fiz regada a soluços. A despedida não foi fácil! Continuar lendo “De volta, sete anos depois”

Até logo!

Até logo!

Foi a pelo menos uma década que Deus me separou para o pastoreio. Desde então estive envolvido na liderança de Células quase que todas as semanas da minha vida – Isso quer dizer que já estive pelo menos 500 (!!!) vezes na casa de alguém para ministrar ou ser ministrado. O pastoreio não começou quando comecei a Pastorear uma Igreja, mas quando comecei a cuidar de mais um. Continuar lendo “Até logo!”

Digamundenses

Digamundenses

A poucos dias de completar uma década o Ministério Diga ao Mundo encerrou as atividades. Receber essa notícia me deixou triste por um momento, mas em seguida uma série de imagens começou a passar em minha mente – Os ensaios, as revoluções, as viagens, as Conferências, as lágrimas, os abraços (grátis), as decepções, as lutas… Eu tive o privilégio de estar desde o início, quando éramos 5, e também estive quando éramos mais de 150. Quando éramos apenas “local” e também quando tivemos Bases em vários estados e países (!!!). Vi revoluções para milhares e também para uma família. Viajamos alguns quilômetros e também atravessamos continentes. São tantas histórias, tantas pessoas… Só quem é um digamundense consegue definir outro digamundense. Continuar lendo “Digamundenses”

Promovendo a Visão: Como escolher o nome da minha Célula?

Promovendo a Visão: Como escolher o nome da minha Célula?

Este é um dos pedidos que mais recebo: “Lufe, inventa um nome pra minha Célula?”. Esse é um desafio para o Líder de Célula e toda sua equipe visto que as pessoas até tentam fugir, mas acabam se encontrando nos nomes mais comuns (sempre com as melhores intenções): “Leão da Tribo de Judá”; “Metanóia”; “Peniel”; “Resgate”… Não há problema algum nesses nomes, mas eles tendem a não refletir a individualidade da Célula e dos seus participantes. É como chamar de Bombril a esponja que se chama Assolan – Ela tem um nome, tem suas qualidades e diferenças, tem sua própria identidade poxa vida. Continuar lendo “Promovendo a Visão: Como escolher o nome da minha Célula?”

O que aconteceu em nossa Rede de Jovens

O que aconteceu em nossa Rede de Jovens

Em Santa Rita (bairro da nossa cidade onde pastoreamos uma Igreja) assim como em muitos bairros da nossa cidade a Rede de Jovens (culto direcionado para jovens e adolescentes) acontecia apenas uma ou duas vezes por mês. Era meio que uma regra com exceção da Igreja Sede e algumas outras que realizam todas semanas. Fazer um ajuntamento semanal com um nicho de pessoas é desafiador de muitas maneiras e, por mais que me considere ousado, não foi uma iniciativa propriamente minha, mas dos nossos Discípulos.

Continuar lendo “O que aconteceu em nossa Rede de Jovens”

A semana em Curitiba

Saímos de Volta Redonda na terça de manhã bem cedo e depois de 9, nem tão cansativas horas de viagem na estrada, chegamos em Curitiba para alguns dias de trabalho conhecendo a estrutura dessa que é a segunda maior Bola de Neve Church no Brasil com aproximadamente 7 MIL MEMBROS! Quem nos recebeu foi o Rafael, responsável por uma empresa que cria aplicativos para Igrejas (que inclusive criou o da IPV) e é voluntário (uma palavra que ouvimos muitas vezes no nosso dia).

Continuar lendo “A semana em Curitiba”

Meu primeiro ano sem a crise pré DaM na Estrada

Meu primeiro ano sem a crise pré DaM na Estrada

O Ministério Diga ao Mundo existe na IPV Sede desde 2007 (meu Deus, é muito tempo!) e o foco sempre foi o mesmo: Gerar relacionamentos, falar do amor de Deus e usar a arte como meio para atrair e conectar pessoas. Estive com eles desde o primeiro dia, passei anos na frente do Ministério. Não tem como falar de três grandes histórias que vivi na última década sem citar o DaM em pelo menos uma delas. As viagens, as lutas, os risos, as lágrimas (daria para abastecer um pequeno vilarejo com elas por um ano)… Manter a relevância, renovar as forças, fazer tudo novo de novo a cada ano, nunca foi uma tarefa fácil, mas também nunca deixou de ser prazeroso.

Continuar lendo “Meu primeiro ano sem a crise pré DaM na Estrada”